Bispo eleito de Ji-Paraná, na Amazônia brasileira

Norberto Foester: “Ser um bispo que vai a uma pequena comunidade e depois fala na catedral sobre o que esta comunidade rural entendeu sobre o Evangelho”

10 de Dezembro de 2020

 

“Sei que muitas pessoas entendem o chamado para ser bispo como um avanço na carreira, mas acho que não, é uma outra forma de tentar colocar-se, junto com o Povo de Deus, ao serviço do Reino de Deus”.

 

“A Amazônia é um lugar disputado, também economicamente ..., é sinal de um capitalismo insaciável que simplesmente vem para destruir. Vem também para destruir os povos indígenas, quilombolas, que estão lá onde estão os minérios e que estão sendo expulsos de suas terras "

 

"O bispo tem uma certa autoridade, mas a autoridade entra em jogo quando alguém não é mais fiel a Jesus Cristo, quando não cumprimos mais nosso carisma"

 

"Sínodo significa, primeiro, ouvir e depois refletir e decidir juntos. Certamente, a pandemia aumentou muito a necessidade de ouvir e muitas pessoas precisam ser ouvidas, porque estão em uma certa solidão e à beira da depressão."

 

“Creio que este é o caminho, estar no meio destas pessoas, caminhar com elas, e o que vai marcar mais tarde, é o que vai emergir desta presença, deste acolhimento, deste encorajamento mútuo, e o que iremos discernir juntos como a vontade de Deus"

 

Missão Norberto Foester em Humanitá

 

Após 33 anos no Brasil, onde chegou quando ainda era seminarista, o Padre Norberto Foester , missionário do Verbo Divino nascido na Alemanha, acaba de ser nomeado pelo Papa Francisco bispo de Ji-Paraná , na Amazônia brasileira. Ele vê sua nova missão episcopal como a continuação de um caminho , onde assumiu diversos serviços em sua congregação, na diocese do estado de São Paulo e na diocese de Humaitá, no estado do Amazonas.

Ele quer viver seu novo ministério no meio do povo , acompanhando a vida das comunidades, tornando realidade “ uma Igreja de Francisco, pobre, samaritano, misericordioso, missionário, no meio do povo que temos ”. Por isso, destaca a importância de ouvir as pessoas mais simples, que muitas vezes são as que melhor entendem o Evangelho.

O novo bispo conhece a importância e as ameaças da Amazônia , especialmente mineração , desmatamento , agronegócio e agrotóxicos , sinais “de um capitalismo insaciável que vem simplesmente para destruir ” a vida dos povos amazônicos. e a casa comum. É aqui que se torna importante o empenho da Igreja na defesa destes povos , uma missão eclesial onde se destaca a necessidade de “ fortalecer as lideranças leigas ” e com eles pensar juntos o caminho a seguir, em espírito sinodal., ouvindo as pessoas, que cada vez mais precisam ser ouvidas. É deles que ele quer aprender, “a ser um bispo que vai a uma pequena comunidade, talvez agora mais camponeses, e depois falar na catedral sobre o que esta pequena comunidade rural entendeu o Evangelho”.

 

Norberto Foester

 

 

Você nasceu na Alemanha, mas mora no Brasil há mais da metade da sua vida. O que você guarda de sua condição alemã e o que assimilou da vida e da cultura do povo brasileiro e da Igreja?

É difícil dizer o que retenho da minha cultura alemã. Eu vim aqui em outubro de 1987, ainda era seminarista. Não tive problemas com a comida, porque na Alemanha minha mãe fazia batata com água salgada todos os dias, e outras coisas, e aqui o arroz com feijão fazia muito bem para mim. Com a cultura também, acho que logo consegui me inculturar.

Lembro que quando eu tinha uns dezoito ou vinte anos, tínhamos um pequeno grupo de oração de jovens, e quando vou para a Alemanha, nos encontramos até hoje, foi algo que nos marcou, e essas amizades, com experiências profundas, talvez façam parte do cultura da Alemanha, e que mantemos até hoje. Mas ao longo dos anos, também fiz amigos aqui no Brasil.

No fundo, já na Alemanha, eu achava que a caminhada da Igreja no Brasil, e o jeito de ser Igreja, era muito mais interessante do que a caminhada da Igreja na Alemanha. Li os livros de Leonardo Boff, Clodovis Boff e outros, Gustavo Gutiérrez, e fiquei fascinado por esta igreja. Por isso, antes de vir para o Brasil quando terminei minha graduação, vim descobrir se a Igreja no Brasil era o que estava escrito nos livros. Na verdade, não era, mas como era, também o achei muito bonito. Isso me motivou mais tarde a entrar na congregação e vir aqui.

 

Norberto Foester no rio

 

Veio ao Brasil como seminarista e acaba de ser nomeado bispo, fez uma caminhada como seminarista, como sacerdote e agora encara um novo caminho como bispo. O que significa esse compromisso?

É basicamente uma continuidade. Eu já tinha terminado de teologia na Alemanha, e houve um pequeno lapso de tempo, porque na Alemanha quase fui convidado duas vezes a deixar a congregação. Vim para uma experiência missionária que se tornou um destino de missão. Talvez fosse também, entre a Igreja na Alemanha, nosso seminário lá, e a Igreja aqui no Brasil, um estilo que talvez não fosse muito aceito lá. Comecei a trabalhar na periferia, na Zona Leste de São Paulo, em São Marcos, naquele triângulo São Paulo, Mauá, Santo André, naquela época um bairro metalúrgico, em uma espécie de bairro dormitório, trabalhavam mais em grandes empresas de automóveis em San Bernardo, etecetera.

Várias comunidades tinham o nome de mártires do povo, Santo Dias, o padre Antonio Merloth, que era um missionário verbita, que morreu em um acidente de motocicleta, não foi atendido porque não tinha carteira ou plano de saúde, foi colocado dentro do quarto limpando o que hoje seria uma Unidade Básica de Saúde e Frei Tito morreu praticamente lá. Essas comunidades que tinham o nome de mártires, que hoje foram renomeadas, já faziam parte do nosso caminho, e essa Igreja, no fundo, eu queria ser fiel.

En estos días recordaba que fui ordenado por el obispo verbita Monseñor José Aparecido Dias, que era entonces obispo de Registro y luego fue transferido a Roraima. Recuerdo que el día de mi ordenación, en su homilía, habló lo que los pescadores de Cananeia habían comentado con él en el círculo bíblico el domingo anterior. Cuando escuché eso, ya soñé, me gustaría ser como sacerdote un buen pastor, como este que realmente escucha lo que la gente dice y acompaña a su pueblo con simplicidad y humildad. Cuando llegó la invitación, pensé en ser este tipo de obispo, o ser un obispo como Monseñor Antonio Possamai, que fue obispo en Ji-Paraná donde he sido nombrado, un obispo que realmente camina junto con el pueblo, que intenta todo para organizar al pueblo en comunidades.

Isso pode ser chamado de Deus, e é isso que eu realmente quero, assim eu quero entrar. Entrei em contato com a diocese de Ji-Paraná, e não sei exatamente quantas paróquias existem, mas o administrador diocesano me disse que existem 1.100 comunidades na diocese. Espero poder caminhar com essas pessoas e ali no meio delas para ser um bom pastor. No modo de falar de Francisco, o bom pastor às vezes caminha na frente, às vezes no meio e às vezes atrás, carregando as ovelhas mais fracas e vulneráveis. É um pouco como esse sonho de uma Igreja de Francisco, pobre, samaritana, misericordiosa, missionária, no meio do povo que temos.

Eu não vejo isso como uma pausa, eu vejo uma continuidade. Sei que muitas pessoas entendem o chamado para ser bispo como um avanço na carreira, mas acho que não, é uma outra forma de tentar colocar-se, junto com o Povo de Deus, a serviço do Reino de Deus.

 

Eucaristia de Norberto Foester

 

Você tem trabalhado ao longo de sua missão de sacerdote no Brasil com os povos da periferia, também na Amazônia, onde tem acompanhado as comunidades ribeirinhas, os povos indígenas. Quais são os sinais do Evangelho que descobriste na tua caminhada, na tua vida pastoral com estas pessoas?

Senti, vivi, nas casas e nas celebrações, que Deus está realmente presente no meio das pessoas, tanto aqui nas comunidades como nos bairros de trabalho, no início, e depois em Registro também foi assim. Naquela época a Igreja era muito criativa, nos últimos anos houve uma certa romanização, a Igreja se tornou um pouco mais como uma Igreja Apostólica Católica Romana, com letras maiúsculas. Naquela época havia mais espaço para a criatividade, e sendo capaz de celebrar a alegria do evangelho de forma criativa, e o que as pessoas criaram, foi o espírito que ensinou a você, e você estava bem no meio disso.

Também na Diocese de Registro, onde são pescadores, plantadores de banana, entre essas pessoas havia algo muito bonito também. O que Monsenhor Aparecido fez, Salomón pede um coração que escuta, se você tem um coração que escuta, você ouve muita sabedoria, de pessoas que muitas vezes nem sabem ler e escrever, mas descobrem o Evangelho de uma maneira que nós, depois de tantos estudos Não chegaríamos ao ponto em que essas pessoas entendessem o que Jesus queria dizer. Já tive essa experiência muitas vezes, como essas pessoas descobrem, melhor do que eu, o que Jesus quer dizer.

Nas comunidades ribeirinhas de Humaitá, a princípio eles ficaram desconfiados, o que é compreensível, pois os ribeirinhos do rio Madeira às vezes são vistos como gente de segunda categoria pela população da cidade. Eles desconfiam um pouco do padre, a questão fundamental é: ele vai batizar meu filho, ou vai dizer não, você não é casado na igreja, tem alguma coisa errada, você tem que participar mais da comunidade? Às vezes, no começo, é um relacionamento um pouco medroso, mas esses quatro anos nas comunidades ribeirinhas da Amazônia, onde morei mais no barco do que em terra, foi uma experiência única, me deu muita paz no coração. A própria paisagem, a vida fica mais lenta, não tem outro jeito, o calor, tem que ir devagar, senão fica doente, mas foi uma experiência muito boa. Com as pessoas ali, a forma de nos receber, de viver a fé,

Agora estou aqui na zona leste de São Paulo, e nessa época de Covid o pessoal da rua está crescendo muito, o pessoal que mora na favela está desempregado, está passando por um momento difícil, e aqui na paróquia é Grupos incríveis que são criados para fazer caldeirões, sopas, pra gente na rua e tudo isso de forma espontânea. Não se trata apenas de dar comida à pessoa e partir, mas de conhecer essas pessoas, ouvir a sua história, percebemos que nestes meses, esta solidariedade mudou a vida de muitos dos que são solidários, descobriram uma nova dimensão da sua vida. Isso não veio de mim, veio das pessoas que estão aqui, e eu estou bem no meio disso, e percebendo isso, e muito feliz, porque essa é realmente a alegria do Evangelho.

 

Abertura do Sínodo para a Amazônia

 

Ha sido nombrado obispo para la Amazonía, que en los últimos años se ha convertido en el centro de la sociedad mundial, pero también de la Iglesia universal. ¿Qué significa la Amazonía, donde ha sido misionero, en la diócesis de Humaitá, para el mundo y para la Iglesia?

A Amazônia é um lugar disputado, também economicamente, tem minérios e outras coisas. Não há solo bom para plantar soja, porque o solo é fraco. Na Amazônia, pelo menos onde eu morei, no estado do Amazonas, a terra é muito fraca, a vida não é na terra, a vida está na copa das árvores, daí caem os frutos, os animais mortos, o que gera uma camada de solo bom, onde pode ser plantado. Ao desmatar, você tira o que no futuro lhe dará uma boa terra para plantar, você destrói o que deseja fazer. Então, em pouco tempo, temo que a Amazônia vire um deserto, porque a terra como tal, sem as copas das árvores, não é fértil, e se for desmatada, as copas das árvores são retiradas, o solo está condenado até a morte também.

É um sinal de um capitalismo insaciável que simplesmente vem para destruir. Também vem para destruir os povos indígenas, quilombolas, que estão onde estão os minerais e que estão sendo expulsos de suas terras. Nos últimos anos vimos também a militarização da Amazônia, vimos garimpeiros, mas eram os pequenos garimpeiros, agora são dragas e estão realmente trabalhando para destruir. Para onde vou agora, pelo que eu sei, em Ji-Paraná não é tanto rio, é desmatamento, é muita soja, e não só isso, o governo Bolsonaro tem liberado muitos agrotóxicos que em outros países são proibidos, porque eles prejudicam a natureza e a vida humana também.

Esses venenos são lançados com aviões em grandes lavouras de soja, os donos dessas plantações não moram lá, moram na cidade, mas sim os pequenos agricultores, que vivem presos entre esses venenos em suas casas, em suas plantações, e terão dificuldades para sobreviver. Nos rios estão sendo construídas usinas hidrelétricas, que destroem o espaço vital dos indígenas que ali vivem, eles não encontram mais peixes no rio, e tudo isso traz novos desafios para o agronegócio contra a agricultura familiar. Este é um problema não só daquela região, mas é um problema global. Não é o agronegócio que garante a alimentação do povo brasileiro, o agronegócio produz a soja que vai para China, Estados Unidos,

É aqui que a Igreja deve estar ao lado dos pequenos agricultores. Jesus, quando estava na sinagoga de Nazaré, disse que o Espírito do Senhor está sobre mim para proclamar um ano da graça do Senhor. Ano da graça poderíamos dizer que hoje é a reforma agrária, que está tudo distribuído para que a família possa plantar. É mais nesse sentido, estar junto com essas pessoas, anunciando o Evangelho, tentando organizar, ser uma comunidade e ver a graça de Deus na Eucaristia, ouvindo juntos a Palavra de Deus, ouvindo o que Deus diz para o nosso tempo. , que vou trabalhar lá.

Neste momento, o mundo todo está olhando para a Amazônia, tem interesses econômicos fortes aqui, em prejuízo da casa comum, dos povos tradicionais que vivem nessas terras, em prejuízo, de certa forma, de toda a humanidade. Porque quando você mata os líderes indígenas idosos, você queima uma biblioteca, porque às vezes eles não têm nada escrito, mas eles têm a sabedoria, a tradição oral, e a humanidade precisa dessa tradição, dessa sabedoria. É muito importante para toda a humanidade, e algumas forças da globalização existem para destruir. A Igreja Católica também é uma força global, e podemos pensar em outra economia, como o Papa Francisco fazia agora, uma economia de Francisco, não do Papa Francisco, mas de São Francisco, de partilha e de vida para todos. 

 

Mineração ilegal na Amazônia

 

O senhor diz que na diocese de Ji-Paraná existem mais de 1.100 comunidades. O Papa Francisco insiste muito na importância dos leigos e na Querida Amazônia insiste no grande trabalho que os leigos, especialmente as mulheres, fazem nas comunidades da Amazônia. Como podemos ajudar a empoderar e reconhecer este grande trabalho que os leigos, especialmente as mulheres, estão fazendo, e como isso pode ajudar a construir os novos caminhos que o Sínodo para a Amazônia almeja?

Se há tantas comunidades é porque há muitos líderes, líderes leigos, muitas pessoas, provavelmente a maioria, mulheres líderes. Minha missão é, antes de tudo, fortalecer a liderança leiga, também cuidar um pouco, porque leigos fortes não apagam o nascimento e o crescimento de outros leigos. A gente vê isso às vezes, isso não é bom, tem leigo que é guarda-chuva que tem acesso ao outro só por meio dele, isso não é bom. Temos que deixar crescer todos os leigos, buscar novos líderes e tentar abrir espaço para eles, e juntos buscarmos formas de ver como esse espaço pode ser maior. Não sou eu, com minhas idéias, mas os próprios líderes leigos, também, que junto comigo vão pensar isso e fazer propostas.

Aquele pequeno grupo de oração de que falei quando era jovem, que certamente é o berço da minha vocação, era liderado por duas jovens naquela época. Um deles me escreveu agora, parabenizando-me e dizendo que esta era a coroação do nosso grupo de oração, e eu não gostei muito. A outra líder feminina tornou-se, na Alemanha há isso, uma assistente pastoral, uma liderança leiga remunerada da Igreja Católica. Essa mulher é tão importante para mim quanto eu, não importa se alguém é assistente pastoral e o outro é bispo. Juntos tentamos seguir nosso Senhor Jesus Cristo, com nossa vida, servindo ao Reino de Deus.

Fiquei um pouco triste, dizendo que coroava aquele caminho e a outra pessoa não. Quem escreveu isso é assistente social, e sei que ele tratava muito bem as pessoas com base na fé. Outra tem um filho deficiente, muito paciente com ele, muito amoroso e certamente também inspirado pelo que descobrimos em nosso grupo de oração sobre Jesus Cristo. Essa hierarquia tem que ser revisada com o tempo, não está apenas na estrutura da Igreja, mas também em nossa própria mente, e isso não é bom.

O bispo tem alguma autoridade, mas a autoridade entra em jogo quando alguém não é mais fiel a Jesus Cristo, quando não cumprimos mais nosso carisma. Somos nós que juntos buscamos novos caminhos e, então, como há poucos clérigos, somos obrigados a buscar esses novos caminhos. Mas não só por isso, não é porque haverá mais clero que este espaço voltará a ser reduzido, a algo que faz parte de ser uma Igreja fiel a Jesus Cristo.

 

Norberto Foester

 

Essa seria a Igreja Sinodal, que o Papa Francisco propõe como forma de ser Igreja no século XXI. A pandemia, que dificultou o trabalho pastoral e a presença física do sacerdote na vida das pessoas, pode ter nos ensinado a trabalhar ainda mais nesta dimensão sinodal. Diante da realidade de que vivemos e olhamos para o futuro , como essa sinodalidade pode ser trabalhada na vida da Igreja?

A pandemia me levou a não ficar em casa, visito muitas casas, nunca fiz tantas visitas como neste tempo de pandemia. Muitas vezes fico na porta de casa, às vezes entro, a gente precisa ser ouvida, talvez muito mais do que antes. Às vezes não consigo entrar em casa, então ligo para ver como estão as coisas e incentivo o povo de Deus a fazer o mesmo, a aprofundar os laços entre nós. Não é só o padre que tem que fazer isso, todos nós, não podemos nos visitar fisicamente, mas temos o WhatsApp para que possamos entrar em contato, cuidar um do outro, criar aqueles laços humanos, que são a base da sinodalidade, para avançar no caminho sinodal.

Sínodo significa antes de tudo ouvir, depois refletir e decidir juntos. Certamente, a pandemia aumentou muito a necessidade de ouvir, e muitas pessoas precisam ser ouvidas, porque estão em certa solidão e à beira da depressão. É claro que o clero deve assumir este caminho de escuta, mas também os próprios leigos, ouvir-se, descobrir quais são os caminhos e ter a coragem de decidir e seguir este caminho. Esta época de pandemia nos ensinou a necessidade de ouvir uns aos outros. Aqui na arquidiocese de São Paulo, o purpurado nos convocou estes dias, já houve uma fase de escuta nas comunidades, houve especialistas que tiraram algumas coisas disso, e ele avisou que voltemos às comunidades e paróquias para ouvir um mais uma vez. Este é o caminho,

 

Norberto Foester comemorando em uma comunidade

 

Em uma entrevista com um bispo, ele disse que para ser sacerdote é preciso treinar vários anos no seminário, e ser bispo vem de repente e aos poucos você tem que aprender a ser bispo. O que você gostaria de ver em seu ministério episcopal?

Seja alguém que está no meio das pessoas. O Vigário Geral de Ji-Paraná me disse que as comunidades de Ji-Paraná, principalmente as rurais, ficaram muito felizes quando leram em meu currículo que eu estava visitando de barco as pequenas comunidades ribeirinhas de Humaitá. Eu disse a eles que a ideia é que, para visitar as pequenas comunidades, esteja lá também. Ele riu e disse que existem 1.100 e tantas comunidades aqui. Mas mesmo assim, creio que este seja o caminho, estar no meio destas pessoas, caminhar com elas, e o que vai marcar mais tarde é o que vai emergir desta presença, deste acolhimento, deste encorajamento mútuo, e o que iremos discernir juntos conforme a vontade de Deus.

Não posso dizer ainda o que será, mas volto ao bispo que me ordenou, ao monsenhor Aparecido, quero ser um bispo que vai a uma pequena comunidade, talvez agora mais camponeses, e depois fale na catedral sobre o que é esta pequena comunidade rural entendeu o Evangelho. Nesse sentido, caminhar juntos, e que essa seja a marca da minha caminhada por aí. Não é o bispo que define o caminho, acho que é junto, também com as freiras, com os padres que estão ali. Lá tem líderes leigos muito fortes, Monsenhor Antônio Possamai conseguiu isso, não só é novena do patrono, mas eles refletem a Bíblia o ano todo, e há material para isso. As pessoas se reúnem em pequenos grupos em torno da Palavra de Deus. Acho que esse é o caminho, de ouvir juntos e espero que isso marque o meu caminho.


 

 

Fonte: Religíon Digital (https://www.religiondigital.org/luis_miguel_modino-_misionero_en_brasil/Norberto-Foester-comunidad-entendido-Evangelio_7_2293040687.html)

 

 

Netmidia - Soluções Digitais©2014 - Todos os direitos Reservados a Diocese de Ji-Paraná
Fone: (69) 3416-4203 / 3416-4204
Av. Marechal Rondon, 400 - Centro - Ji-Paraná / RO - CEP: 76900-036
E-mail: informatica@diocesedejiparana.org.br