Liturgia Diária

Dia 3 de Outubro - Terça-feira BEATOS ANDRÉ E AMBRÓSIO PRESBÍTEROS E MÁRTIRES (Vermelho, Prefácio Comum ou dos Mártires – Ofício da Memória)

03 de Outubro de 2017

 

Leitura (Zacarias 8,20-23)

 

Leitura da profecia de Zacarias.
20 Eis o que diz o Senhor dos exércitos: "virão ainda muitos povos e habitantes de grandes cidades:
21 os habitantes de uma cidade convidarão os habitantes de outra, dizendo: ‘Vamos e roguemos ao Senhor! Busquemos o Senhor dos exércitos! - Também eu irei’. -
22 Virão muitos povos e poderosas nações buscar o Senhor dos exércitos em Jerusalém, e implorar a face do Senhor".
23 Eis o que diz o Senhor dos exércitos: "naquele dia dez homens de todas as línguas das nações tomarão um judeu pela orla de seu manto, e dirão: ‘queremos ir convosco, porque soubemos que Deus está convosco’".
Palavra do Senhor.

 

Salmo Responsorial 86/87

Nós temos ouvido que Deus está convosco.

O Senhor ama a cidade
que fundou no Monte santo; 
ama as portas de Sião 
mais que as casas de Jacó. 
Dizem coisas gloriosas
da Cidade do Senhor.

Lembro o Egito e Babilônia
entre os meus veneradores. 
Na Filistéia ou em Tiro
ou no país da Etiópia, 
este ou aquele ali nasceu. 
De Sião, porém, se diz:
“Nasceu nela todo homem;
Deus é sua segurança”.

Deus anota no seu livro,
onde inscreve os povos todos:
“Foi ali que estes nasceram”. 
E por isso todos juntos
a cantar se alegrarão; 
e, dançando, exclamarão:
“Estão em ti as nossas fontes!” 

 

Evangelho (Lucas 9,51-56)

 

Aleluia, aleluia, aleluia.
Veio o Filho do homem, a fim de servir e dar sua vida em resgate por muitos (Mc 10,45). 


Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus.
51 Aproximando-se o tempo em que Jesus devia ser arrebatado deste mundo, ele resolveu dirigir-se a Jerusalém.
52 Enviou diante de si mensageiros que, tendo partido, entraram em uma povoação dos samaritanos para lhe arranjar pousada.
53 Mas não o receberam, por ele dar mostras de que ia para Jerusalém.
54 Vendo isto, Tiago e João disseram: "Senhor, queres que mandemos que desça fogo do céu e os consuma?"
55 Jesus voltou-se e repreendeu-os severamente.
56 "O Filho do Homem não veio para perder as vidas dos homens, mas para salvá-las". Foram então para outra povoação.
Palavra da Salvação.

 

Comentário ao Evangelho

A CAMINHO DE JERUSALÉM


A viagem rumo a Jerusalém representou uma guinada importante nas andanças missionárias de Jesus. Lá se encontrava o centro da religião judaica: o templo com todo o universo que se estabeleceu ao redor dele, especialmente os defensores da fé, a aristocracia sacerdotal e outros grupos empenhados em manter viva a tradição religiosa.
Entretanto, no correr do seu ministério, Jesus introduziu uma visão nova de relação com Deus, a partir do ideal de Reino, que acabou por relativizar, ou mesmo, invalidar inúmeros elementos da fé tradicional. A prática de Jesus não seguia os padrões da piedade em voga. De fato, ele não era um revolucionário, demolidor das veneráveis instituições religiosas do povo. A novidade de sua ação consistia em viver, na qualidade de Filho, os elementos da fé judaica de modo radical, ultrapassando o prescrito na letra da Lei. A ação de Jesus se pautava pelo espírito que inspirava a fé judaica e, há muito, havia sido esquecido. Este projeto de vida, porém, era contestado pelas lideranças religiosas da época. E Jesus não tinha dúvida da rejeição que lhe estava reservada. Não nutria ilusões a respeito do seu futuro. Isto, porém, não o impediu de seguir adiante, no caminho querido pelo Pai.
Já no início da viagem, Jesus fez a experiência de rejeição. No entanto, assim como os samaritanos, que o rejeitaram, foram poupados, também o seriam as autoridades de Jerusalém.

 

 

Oração
Senhor Jesus, dá-me força e coragem para seguir em frente, no caminho querido pelo Pai, mesmo quando eu me sentir incompreendido e rejeitado.

 


(O comentário do Evangelho é feito pelo Pe. Jaldemir Vitório – Jesuíta, Doutor em Exegese Bíblica, Professor da FAJE – e disponibilizado neste Portal a cada mês)

 

Santo do Dia / Comemoração (BEATOS ANDRÉ E AMBRÓSIO)

Nascido em São Vicente, hoje Estado de São Paulo, por volta de 1572. Entrou na Companhia de Jesus no dia 6 de agosto de 1593, na Bahia; estudou latim e Teologia Moral. Conhecendo muito bem a língua indígena, ocupou-se da conversão dos índios nos territórios dependentes do colégio de Pernambuco, na cidade de Olinda. Em 1606 veio ao Rio Grande em missão.

 

Passou para o clero diocesano provavelmente entre 1607 e 1610. Voltando ao Rio grande já como sacerdote secular, recebeu dotes de sesmaria em Cunhaú em 1614, onde era pároco. Teria 73 anos na época do martírio, dentro da igreja em Cunhaú, durante a missa: "A figura do Pe. André de Soveral, na sua veste de pastor do pequeno rebanho de Cunhaú, desponta como o grande herói que, não só ofereceu a vida pela fé no momento sublime do sacrifício eucarístico, mas também exortou os fiéis a fazerem o mesmo, aceitando voluntariamente o martírio" (PEREIRA, F. de Assis. Protomártires do Brasil, p. 17) Beato Ambrósio Francisco Ferro, padre A primeira informação que se tem do Pe. Ambrósio data de 1636, constando que já era vigário do Rio Grande.

 

Aparentemente tinha um relacionamento amistoso com os holandeses, pois pediu asilo aos mesmos na Fortaleza. Outro mártir, o Beato Antônio Vilela Cid, era casado com a irmã de Pe. Ambrósio, Inês Duarte, açoriana. Deduz-se que também ele era açoriano, ou seja, português.

 

Fonte: http://domtotal.com

 

 

Netmidia - Soluções Digitais©2014 - Todos os direitos Reservados a Diocese de Ji-Paraná
Fone: (69) 3416-4203 / 3416-4210
Av. Marechal Rondon, 400 - Centro - Ji-Paraná / RO - CEP: 76900-036
E-mail: informatica@diocesedejiparana.org.br