Liturgia Diaria

Dia 22 de Junho - Sexta-feira XI SEMANA DO TEMPO COMUM (Verde – Ofício do Dia)

22 de Junho de 2018

 

Leitura (2 Reis 11,1-4.9-18.20)

 

Leitura do segundo livro dos Reis.
11 1 Quando Atália, mãe de Ocozias, viu morto o seu filho, decidiu exterminar toda a descendência real.
2 Josebá, porém, filha do rei Jorão e irmã de Ocozias, tomou Joás, filho de Ocozias, e fê-lo escapar do massacre dos filhos do rei, escondendo-o com sua ama de leite no quarto de dormir. Esconderam-no assim, de Atália, de maneira que pôde escapar à morte.
3 Ele esteve seis anos oculto com Josebá no templo do Senhor, enquanto Atália reinava sobre a terra.
4 No sétimo ano, Joiada convocou junto de si, no templo do Senhor, os centuriões dos cários e dos cursores. Fez com eles um pacto, e, depois de tê-los feito jurar no templo do Senhor, mostrou-lhes o filho do rei.
9 Os centuriões executaram fielmente as ordens do sacerdote Joiada. Tomando cada um os seus homens, tanto os que começavam o serviço no sábado, como os que o terminavam, foram ter com o sacerdote Joiada.
10 Joiada deu-lhes as lanças e os escudos do rei Davi, que se encontravam no templo do Senhor.
11 Os guardas postaram-se, de mãos armadas, ao longo do altar e do templo, desde a extremidade sul até a extremidade norte do templo, à volta do rei.
12 Então Joiada fez sair o menino-rei, pôs-lhe a coroa na cabeça e entregou-lhe a Lei. Proclamaram-no rei, ungiram-no e todos o aplaudiram, gritando: “Viva o rei!”
13 Ouvindo Atália o clamor que faziam os guardas e o povo, entrou no templo do Senhor, pelo meio da multidão.
14 E eis que espetáculo se ofereceu aos seus olhos: lá estava o rei, de pé no estrado, segundo o costume, tendo ao seu lado os chefes e as trombetas, enquanto o povo se alegrava, tocando as trombetas. Então ela rasgou as suas vestes, gritando: “Traição, traição!”
15 Mas o sacerdote Joiada ordenou aos centuriões que comandavam as tropas: “Levai-a para fora, entre vossas fileiras, e se alguém quiser segui-la, feri-o com a espada”. Porque o pontífice proibira que a matassem no templo do Senhor.
16 Lançaram-lhe as mãos e, ao chegarem ao palácio real pelo caminho da entrada dos cavalos, mataram-na ali.
17 Joiada fez entre o Senhor, o rei e o povo, uma aliança, segundo a qual o povo devia pertencer ao Senhor. Fez também uma aliança entre o rei e o povo.
18 Todo o povo entrou então no templo de Baal e o devastou; destruíram os altares, as imagens, e mataram o sacerdote de Baal, Matã, diante dos altares. O pontífice Joiada pôs guardas no templo do Senhor.
20 Todo o povo da terra se alegrou, e a cidade ficou em paz. No palácio real, porém, Atália era passada ao fio da espada.
Palavra do Senhor.

 

Salmo Responsorial 131/132

 

O Senhor preferiu Jerusalém por sua morada. 

O Senhor fez a Davi um juramento, 
uma promessa que jamais renegará: 
“Um herdeiro que é fruto do teu ventre 
colocarei sobre o trono em teu lugar! 

Se teus filhos conservarem minha aliança 
e os preceitos que lhes dei a conhecer, 
os filhos deles igualmente hão de sentar-se 
eternamente sobre o trono que te dei!” 

Pois o Senhor quis para si Jerusalém 
e a desejou para que fosse sua morada: 
“Eis o lugar do meu repouso para sempre, 
eu fico aqui: este é o lugar que preferi!” 

“De Davi farei brotar um forte herdeiro, 
acenderei ao meu ungido uma lâmpada. 
Cobrirei de confusão seus inimigos, 
mas sobre ele brilhará minha coroa!”

 

Evangelho (Mateus 6,19-23)

 

Aleluia, aleluia, aleluia.
Felizes os humildes de espírito, porque deles é o reino dos céus (Mt 5,3).
 
Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus.
6 19 Disse Jesus: “Não ajunteis para vós tesouros na terra, onde a ferrugem e as traças corroem, onde os ladrões furtam e roubam.
20 Ajuntai para vós tesouros no céu, onde não os consomem nem as traças nem a ferrugem, e os ladrões não furtam nem roubam.
21 Porque onde está o teu tesouro, lá também está teu coração.
22 O olho é a luz do corpo. Se teu olho é são, todo o teu corpo será iluminado.
23 Se teu olho estiver em mau estado, todo o teu corpo estará nas trevas. Se a luz que está em ti são trevas, quão espessas deverão ser as trevas!”
Palavra da Salvação.

 

Comentário ao Evangelho

 

O TESOURO DO CÉU

A avidez de acumular bens neste mundo torna insensatas certas pessoas. O afã de possuir não as permite julgar a consistência daquilo que consideram bens de valor. E acabam ajuntando um punhado de coisas frágeis, incapazes de resistir à ação do tempo, isto sem falar da investida das traças e da ferrugem e o assalto dos ladrões. A privação deste falso tesouro gera desespero. Afinal, tanta esperança colocada em bens efêmeros, para acabar em nada.
O discípulo do Reino é alertado para precaver-se desta tentação e preocupar-se, acima de tudo, para juntar um tipo diferente de tesouro, aquele do céu, cuja perenidade é garantida. O tesouro do discípulo consiste na prática continuada da justiça do Reino, expressa mormente no amor ao próximo, em suas múltiplas manifestações. Cada gesto de bondade, de valorização do outro, de acolhida fraterna e misericórdia enriquece o discípulo e o prepara para receber a recompensa do Pai celeste. Por outro lado, cada vez que se omite de estender a mão ao necessitado, ir ao encontro do carente de consolo e aliviar o sofrimento do próximo está perdendo a oportunidade de fazer crescer o verdadeiro tesouro.
O tesouro do céu começa a ser ajuntado aqui na terra. Pequenos gestos terrenos acabam por adquirir um valor inestimável. Quem os ajunta pacientemente não terá a decepção de vê-los se perderem. Eles são o tesouro do Pai.

 


 

Oração
Senhor Jesus, leva-me a acumular sempre um tesouro de bens imperecíveis, cujo verdadeiro valor só é conhecido pelo Pai.

 


 

(O comentário do Evangelho é feito pelo Pe. Jaldemir Vitório – Jesuíta, Doutor em Exegese Bíblica, Professor da FAJE – e disponibilizado neste Portal a cada mês).


 

 

Fonte: http://www.domtotal.com

 

 

Netmidia - Soluções Digitais©2014 - Todos os direitos Reservados a Diocese de Ji-Paraná
Fone: (69) 3416-4203 / 3416-4210
Av. Marechal Rondon, 400 - Centro - Ji-Paraná / RO - CEP: 76900-036
E-mail: informatica@diocesedejiparana.org.br