Liturgia Diária

ANTOS ANDRÉ E AMBRÓSIO PRESBÍTEROS E MÁRTIRES (Vermelho, Prefácio Comum ou dos Mártires – Ofício da Memória)

03 de Outubro de 2020

 

Antífona de Entrada

Pelo amor de Cristo, o sangue dos mártires foi derramado na terra. Por isso sua recompensa é eterna.

 

Oração do dia

Deus de misericórdia, aumentai em nós a fé que, conservada à custa do próprio sangue, glorificou vossos mártires bem-aventurados André, Ambrósio e companheiros. Dai-nos também ser santificados pela vivência da mesma fé. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

Leitura (Jó 42,1-3.5-6.12-16)

Leitura do livro de Jó.
42 1 Jó respondeu ao Senhor nestes termos:
2 “Sei que podes tudo, que nada te é muito difícil.
3 Quem é que obscurece assim a Providência com discursos ininteligíveis? É por isso que falei, sem compreendê-las, maravilhas que me superam e que não conheço.
5 Meus ouvidos tinham escutado falar de ti, mas agora meus olhos te viram.
6 É por isso que me retrato, e arrependo-me no pó e na cinza”.
12 O Senhor abençoou os últimos tempos de Jó mais do que os primeiros, e teve Jó quatorze mil ovelhas, seis mil camelos, mil juntas de bois e mil jumentas.
13 Teve também sete filhos e três filhas:
14 chamou a primeira Jêmina, a segunda Quetsia e a terceira Queren-Hapuc.
15 Em toda a terra não poderiam ser encontradas mulheres mais belas do que as filhas de Jó. E seu pai lhes destinou uma parte da herança entre seus irmãos.
16 Depois disso, Jó viveu ainda cento e quarenta anos, e conheceu até a quarta geração dos filhos de seus filhos.
Palavra do Senhor.

 

Salmo Responsorial 118/119

Fazei brilhar vosso semblante ao vosso servo
E ensinai-me vossas leis e mandamentos.


Dai-me bom senso, retidão, sabedoria,
Pois tenho fé nos vossos santos mandamentos!

Para mim foi muito bom ser humilhado,
Porque assim eu aprendi vossa vontade!

Sei que os vossos julgamentos são corretos,
E com justiça me provastes, ó Senhor!

Porque mandastes, tudo existe até agora;
Todas as coisas, ó Senhor, vos obedecem!

Sou vosso servo: concedei-me inteligência,
Para que eu possa compreender vossa aliança!

Vossa palavra, ao revelar-se, me ilumina,
Ela dá sabedoria aos pequeninos.

 

Evangelho (Lucas 10,17-24)

Aleluia, aleluia, aleluia.
Graças te dou, ó Pai, Senhor do céu e da terra, pois revelaste os mistérios do teu reino aos pequeninos, escondendo-os aos doutores! (Mt 11,25).


Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas.
Naquele tempo, 10 17 voltaram alegres os setenta e dois discípulos, dizendo: “Senhor, até os demônios se nos submetem em teu nome!”
18 Jesus disse-lhes: “Vi Satanás cair do céu como um raio.
19 Eis que vos dei poder para pisar serpentes, escorpiões e todo o poder do inimigo.
20 Contudo, não vos alegreis porque os espíritos vos estão sujeitos, mas alegrai-vos de que os vossos nomes estejam escritos nos céus”.
21 Naquele mesma hora, Jesus exultou de alegria no Espírito Santo e disse: “Pai, Senhor do céu e da terra, eu te dou graças porque escondeste estas coisas aos sábios e inteligentes e as revelaste aos pequeninos. Sim, Pai, bendigo-te porque assim foi do teu agrado.
22 Todas as coisas me foram entregues por meu Pai. Ninguém conhece quem é o Filho senão o Pai, nem quem é o Pai senão o Filho, e aquele a quem o Filho o quiser revelar”.
23 E voltou-se para os seus discípulos, e disse: “Ditosos os olhos que vêem o que vós vedes,
24 pois vos digo que muitos profetas e reis desejaram ver o que vós vedes, e não o viram; e ouvir o que vós ouvis, e não o ouviram”.
Palavra da Salvação.

 

Comentário ao Evangelho

A ALEGRIA DO APÓSTOLO
A missão dos discípulos de Jesus teve seu lado bonito de eficácia e acolhida. Eles foram testemunhas da ação da palavra de Deus na vida das pessoas e como elas se transformavam. Perceberam, igualmente, como as forças demoníacas que mantinham as pessoas cativas, seja do pecado seja da doença, eram vencidas. Viram o Reino expandir-se e se implantar na vida de muita gente. Por isso, voltavam cheios de alegria para junto de Jesus.
Jesus, porém, temperou o entusiasmo desses missionários, chamando-lhes a atenção para algo que lhes passava despercebido: sua alegria deveria consistir em saber que seus nomes estavam inscritos no céu, ou seja, que eram cidadãos do Reino, cujo Senhor era o Pai. O que faziam, portanto, só tinha sentido enquanto compreendido como serviço desinteressado e gratuito à causa do Reino. Os Apóstolos foram, também, alertados para não se deixarem enredar pela glória mundana provinda do sucesso da missão, e sim, descobrir a raiz verdadeira da alegria, que consistia em saber-se instrumento nas mãos do Pai para levar a salvação a toda humanidade.
A alegria e a felicidade despontaram, também, no coração de Jesus. Ele exultou, porque o Pai revelou a pessoas tão simples, como eram os Apóstolos, os mistérios do Reino, e contou com eles para serem seus servidores. Eis um grande motivo para louvar e agradecer!


Oração  
Senhor Jesus, que meu coração exulte de alegria por saber que o Pai conta comigo para ser servidor de seu Reino.


(O comentário do Evangelho é feito pelo Pe. Jaldemir Vitório – Jesuíta, Doutor em Exegese Bíblica, Professor da FAJE – e disponibilizado neste Portal a cada mês)


Sobre as Oferendas

Ó Deus, aceitai com bondade estas oferendas e concedei-nos imitar os bem-aventurados André, Ambrósio e companheiros, participando com amor do mistério da paixão do vosso Filho. Que vive e reina para sempre.

 

Antífona da Comunhão

Nem a morte, nem a vida, nem criatura alguma nos poderá separar do amor de Cristo (Rm 8,38s).

 

Depois da Comunhão

Na festa dos vossos bem-aventurados mártires André, Ambrósio e companheiros, fomos alimentados, ó Pai, com o Corpo e o Sangue do vosso Filho. Fazei que, perseverando na caridade, encontremos em vós o sustento da nossa vida, a razão da nossa existência e o destino da nossa caminhada. Por Cristo, nosso Senhor.

 

Santo do Dia / Comemoração (SANTOS ANDRÉ E AMBRÓSIO)

Sando André de Soveral, presbítero Nascido em São Vicente, hoje Estado de São Paulo, por volta de 1572. Entrou na Companhia de Jesus no dia 6 de agosto de 1593, na Bahia; estudou latim e Teologia Moral. Conhecendo muito bem a língua indígena, ocupou-se da conversão dos índios nos territórios dependentes do colégio de Pernambuco, na cidade de Olinda. Em 1606 veio ao Rio Grande em missão. Passou para o clero diocesano provavelmente entre 1607 e 1610. Voltando ao Rio grande já como sacerdote secular, recebeu dotes de sesmaria em Cunhaú em 1614, onde era pároco. Teria 73 anos na época do martírio, dentro da igreja em Cunhaú, durante a missa: "A figura do Pe. André de Soveral, na sua veste de pastor do pequeno rebanho de Cunhaú, desponta como o grande herói que, não só ofereceu a vida pela fé no momento sublime do sacrifício eucarístico, mas também exortou os fiéis a fazerem o mesmo, aceitando voluntariamente o martírio" (PEREIRA, F. de Assis. Protomártires do Brasil, p. 17) Santo Ambrósio Francisco Ferro, padre A primeira informação que se tem do Pe. Ambrósio data de 1636, constando que já era vigário do Rio Grande. Aparentemente tinha um relacionamento amistoso com os holandeses, pois pediu asilo aos mesmos na Fortaleza. Outro mártir, o Santo Antônio Vilela Cid, era casado com a irmã de Pe. Ambrósio, Inês Duarte, açoriana. Deduz-se que também ele era açoriano, ou seja, português.

 

 

Fonte: Portal Dom Total

 

 

Netmidia - Soluções Digitais©2014 - Todos os direitos Reservados a Diocese de Ji-Paraná
Fone: (69) 3416-4203 / 3416-4204
Av. Marechal Rondon, 400 - Centro - Ji-Paraná / RO - CEP: 76900-036
E-mail: informatica@diocesedejiparana.org.br